Durante a press de Equals, Nicholas, Kristen e Drake responderam algumas questões relacionadas ao filme, o que eles achariam de viver em um mundo sem emoções, como foi filmar na Ásia e sobre as cenas mais íntimas. Confira:

Você só precisa olhar para as notícias recentes para ver que as emoções estão com tudo agora na América. Isso faz com que o drama sci-fi Equals seja uma parábola futurista particularmente oportuna. Situado em uma sociedade onde as emoções humanas foram forçadamente eliminadas da nossa composição genética, o filme segue dois cidadãos desta distopia brilhante — Silas (Nicholas Hoult) e Nia (Kristen Stewart) — que sucumbem a essa doença debilitante conhecido como “se apaixonar”. É um romance profundo na tradição de Romeu e Julieta e Loucamente Apaixonados, o filme de 2011 do diretor de Equals, Drake Doremus.

Esse filme vencedor do Sundance, foi estrelado pelo falecido Anton Yelchin e Felicity Jones como um casal que se apegam a um romance de verão por muito mais tempo do que é saudável para qualquer um deles. Da mesma forma, Silas e Nia não sabem como parar um ao outro, mesmo que seus sentimentos os tornem párias em sua sociedade. “Isso é o que me interessa”, Doremus diz ao Yahoo Movies. “A ideia de que você só sabe que alguém é sua alma gêmea quando não pode se livrar dela, mesmo quando você tenta.” Em conversas separadas, falamos com Doremus e as estrelas Stewart e Hoult sobre a experiência de criação de um futuro governado pela lógica, ao invés de emoções.

Sobre os prós e os contras de viver em um mundo sem emoções:
Drake Doremus: Eu sou uma pessoa tão emocional que não posso me imaginar estando neste mundo. Mas eu acho que é fascinante remover essa coisa que nos faz mais humano, que é a capacidade de amar. E então é realmente fascinante pensar, nós deveríamos encontrar um caminho de volta para isso? É mais produtivo para a sociedade se concentrar na exploração e curiosidade, sem as coisas que nos impedem? E a resposta é não, não mesmo. A vida é confusa, e as relações são desorganizadas. Não é perfeito, e devemos aceitar que isso é realmente importante.
Kristen Stewart: É uma pergunta hipotética que é boa para a conversa e para este filme, mas eu realmente não acho que você poderia ter este tipo de mundo. Nós seríamos apenas massas de carne de pessoas indiferentes, que nunca saiu da cama; não teríamos nenhuma resposta humana sobre qualquer coisa. Não haveria nenhuma curiosidade intelectual ou desejo de progresso. Eu nem saberia como viver sem isso.
Nicholas Hoult: Seria uma sociedade mais fácil para se viver, e haveria muito mais paz sem as coisas terríveis que as pessoas sentem tão profundamente. Mas você não pode ter o bom sem o mau.

As influências específicas de sci-fi no filme:
Doremus: Grande revelação: Eu nunca vi THX-1138, e eu nunca li 1984. Mas tenho eu vi e amo, Fahrenheit 451 de François Truffaut. Esse filme foi feito nos anos 60, mas parece que poderia ter sido feito hoje, porque não há nada que amarra àquela época. Blade Runner é também uma influência do ponto de vista de sua música etérea e visual. É uma espécie de um poema de tom. Com Equals, eu sempre digo a público antes do filme para desligarem suas mentes e ligarem seus corações. Não é um filme de pensamento, é um filme de sentimento.

Sobre as cenas íntimas do filme, incluindo um encontro sensual em um chuveiro:
Hoult: Drake dá um espaço e um ambiente onde você se sente seguro para explorar e fazer a sua coisa. Mas dentro disso, ele é muito encorajador e se importa muito. Era estranho ir de zero a cem, em certo sentido, saltando entre as cenas em que você não pode sentir nada e cenas em que você está experimentando coisas pela primeira vez.
Stewart: Essas pessoas sabem como andar e falar, e eles têm empregos. Assim, eles não são crianças. No entanto, eles estão emocionalmente e sexualmente [atrofiados]. Se você simplesmente coloca duas pessoas que nasceram como adultos um em frente do outro, o que eles iriam fazer — especialmente se eles fossem atraídos um pelo outro? Eles não sabem como beijar ou procriar classicamente, mas eles ainda são humanos. É uma hipotética estranha, mas eu posso imaginar.
Doremus: Kristen e Nic atiraram-se completamente no filme. Foi incrível estar envolvido nessa energia. Eles são tão diferentes; Nic é meio tímido, e Kristen é muito apaixonada e intensa. Eles trouxeram coisas um no outro que eu não acho que outras pessoas teriam feito. Você não quer dirigi-los demais. No set, eu não falava muito, para ser honesto. Eu apenas tentei deixar a câmera rolar e os deixei explorar a dinâmica que existe e sai do caminho mais do que tudo.

Sobre filmar na Ásia:
Doremus: Filmamos no Japão, em Tóquio, Kōbe e Osaka, e também em Singapura – todos esses lugares incrivelmente bonitos. A maioria dos locais foram museus, universidades ou institutos. Eu queria que tudo fosse prático; Eu não queria um filme de tela verde. Isso precisava parecer como uma versão tangível de 10 anos a partir de agora. 2016 em Los Angeles e 2016 no Japão são tão diferentes; quando eu estava lá, era como, “Eu não sei nem mesmo em que século estou!”. É um mundo tão diferente e um mundo melhor em alguns sentidos.
Hoult: A arquitetura e a aparência [desses locais] é muito mais uma parte deste mundo. Você percebe o quão limpo e preciso que eles eram, mas também o quão vazio de qualquer toque humano ou personalidade.

Fonte

Nicholas Hoult Brasil é um fansite não-oficial sem fins lucrativos. Não possuímos nenhum contato com Nicholas, seu agente, sua família, amigos, etc. Pedimos que os arquivos traduzidos pela equipe do site, assim como conteúdos pesquisados e editados por nós, sejam sempre creditados quando usados em outro site. Se há algo seu aqui e você gostaria que nós retirássemos, por favor entre em contato conosco antes de tomar qualquer ação legal.